Menu
Estilo de Vida

Coronavírus: Home Office e Isolamento

Home Office e Isolamento

No artigo de hoje vou falar essencialmente de duas coisas que, desde há pouco tempo e devido ao surto do novo Coronavírus (Covid-19), fazem parte da minha vida e do meu dia a dia. Estou a falar do regime de home office e no isolamento. Vamos lá!

Home Office

Depois de passar praticamente 12 anos da minha vida a trabalhar como freelancer, ou seja, a trabalhar onde bem me apetecesse, quando e se me apetecesse, comecei, no início deste ano, a trabalhar como Webdesigner numa empresa de Soluções Informáticas. Custou, não vou mentir, custou muito a adaptar-me (ainda custa) aos horários, ao chefe, às obrigações, aos tempos de entrega… a tudo, basicamente!

Contudo, poucos meses depois desta minha nova aventura começar, fui confrontado, como muitos dos portugueses, infelizmente, com a “obrigatoriedade” de trabalhar em regime de home office.

Como estamos a atravessar uma pandemia por causa do Covid-19 a minha empresa decidiu enviar a maioria dos trabalhadores para casa, para trabalhar em regime de teletrabalho.

Quando recebi esta notícia, confesso que fiquei animado (dentro dos possíveis dada a situação, como é óbvio) pois iria voltar a trabalhar como mais gosto, ou seja, sem estar agarrado ao escritório de uma empresa. Mas essa “boa noticia” depressa caiu por terra depois de me aperceber que iria passar o dia todo fechado em casa! Não seria como quando trabalhava como freelancer, não poderia parar de trabalhar, pegar na minha mota e ir dar um passeio para desanuviar, não poderia deixar aquele trabalho mais complicado para a noite (sim, sou e sempre fui uma pessoa noctívaga). Teria, na mesma, de continuar a cumprir horários, realizar inúmeros videochamadas, participar de videoconferências e, acima de tudo, continuar a dar satisfações ao chefe (sim, aqueles 12 anos como freelancer deixaram-me muito mal habituado). Ou seja, seria tudo praticamente igual, mas em minha casa.

A verdade é que já estou há mais de uma semana em regime de home office e, apesar de não ser como quando trabalhava como freelancer, posso dizer que até não está a correr nada mal. Tenho conseguido manter-me ativo e ocupado durante o horário laboral e tenho realizado todas as tarefas que normalmente realizava nas instalações da empresa. É certo que não consigo estar sempre 100% concentrado e, muitas das vezes, apercebo-me que começo a divagar e a pensar em projectos pessoais ou que tenho este ou aquele afazer pendente aqui por casa. Mas, no geral, a coisa tem corrido bem. Quanto a tempo extra “ganho”, como muita gente fala, no meu caso, é praticamente nulo, visto que vivo a 5 minutos de carro da empresa. Contudo, conheço várias pessoas que conduzem cerca de duas horas por dia (uma para cada lado) e, nesses casos, acredito que notem uma grande diferença e que possam “ganhar” tempo para outro tipo de atividades e, desse modo, notar que o dia é mais leve e rentável que o habitual. Já no meu caso não, é praticamente a mesma coisa, com a desvantagem de, em muitas ocasiões, passar dias inteiros sem sair de casa (às vezes até vou levar o saco do lixo a meio só para apanhar um pouco de ar fresco hahahaha).

Isolamento

Quanto ao isolamento em si, posso dizer que me está a custar bastante mais que o teletrabalho. O facto de ter trabalhado durante 12 anos como freelancer fazia com que trabalhasse muito fora de casa, como em cafés, espaços de coworking, bibliotecas, etc., ou seja, passava muito tempo em contacto com pessoas, maioritariamente indiretamente, mas a verdade é que passava os dias rodeado de barulho e movimento. Agora não. Como estou fechado em casa apenas com a minha namorada, por vezes, parece que o silêncio me dificulta a concentração, daí usar, muitas das vezes, música como meio de concentração para não me distrair tão facilmente (isto parece que não faz sentido nenhum, mas sei que muita gente padece do mesmo).

Outro coisa que me tem custado imenso é o facto de não estar tanto tempo com os meus familiares e amigos, como era prática habitual até há tão pouco tempo. Jantar com os meus pais, passar tempo com o meu afilhado, almoçar na casa dos sogros, conversar cara a cara sobre futebol com o portista do meu irmão, tudo isto me faz falta e, por isso mesmo, é que é uma “obrigação” cívica que cada um de nós fique em casa, para ver se esta praga desaparece o mais depressa possível. Portanto, nunca é demais alertar, fiquem em casa!

Entretanto, para passar o tempo e não “dar em tolo”, tento manter-me sempre ocupado, seja a ver um filme ou uma série com a minha namorada, a arrumar a casa (como mudamos de casa há pouco tempo, ainda temos muita coisa por organizar), a escrever aqui no blog ou nos meus outros sites, a idealizar novos projetos online, etc.

E vocês, também estão a trabalhar em regime de home office? O que vos está a custar mais no meio disto tudo? O teletrabalho? Estar fechado em casa? Não ver a família? Deixem um comentário. Se entretanto estiverem sem ideias de filmes para ver durante a quarentena, vejam as minhas duas listas com os melhores filmes do ano passado (lista um aqui e lista dois aqui), pode ser que encontrem alguma coisa que vos agrade. Até já!

Sobre o Autor

Empreendedor digital, investidor, palestrante, cinéfilo, webmaster e blogger, dono de algumas dezenas de sites dos mais variados nichos, a trabalhar na Internet desde 2008.

2 Comentários

  • Manuel Silva
    31 de Março, 2020 às 8:16

    Tenho sentido exatamento o mesmo, melhor produtividade a trabalhar em regime de teletrabalho. Era bom que a minha empresa, no final disto tudo, desse uma oportunidade ao regime de Home Office. Vamos ver. Excelente artigo, continua!

    Responder
  • Tiago Ferreira
    31 de Março, 2020 às 8:19

    Eu por acaso não concordo que o regime de tele-trabalho beneficie a minha prestação. Mas lá está, isto é na minha opinião e vendo os meus rendimentos. Também estou a trabalhar em casa há mais de uma semana e sinto que tenho menos produtividade… em casa, a vontade de trabalhar é menor e existem muitos factores de distracção…

    Responder

Deixa um comentário